Quem compra? Quem vende? Quanto? Mapeamento do mercado madeireiro do Equador

A motosserra ruge e, uma a uma, as árvores desabam. Luis Andi*, seu irmão Jorge e suas mulheres, estão limpando uma pequena área de floresta na província de Orellana, na fatia da Amazônia equatoriana. Desta vez, o objetivo principal dos quéchuas indígenas é preparar a terra para a agricultura — assim Jorge, um jovem magro de vinte e poucos anos, pode sustentar sua jovem família.
Shares
0

Most popular

A motosserra ruge e, uma a uma, as árvores desabam.

Luis Andi*, seu irmão Jorge e suas mulheres, estão limpando uma pequena área de floresta na província de Orellana, na fatia da Amazônia equatoriana.  Desta vez, o objetivo principal dos quéchuas indígenas é preparar a terra para a agricultura — assim Jorge, um jovem magro de vinte e poucos anos, pode sustentar sua jovem família.

“Se você não tem grama, não pode alimentar os animais para se alimentar. É assim que as coisas são. Você tem que cortar as árvores para plantar”, disse Andi.

Mas a madeira não vai para o lixo. Andi também vai usar a motosserra para esculpir cuidadosamente as árvores maiores em pranchas. Depois, ele as vende para o próspero mercado local de madeira.

Elena Mejía, pesquisadora do Centro de Pesquisa Florestal Internacional (CIFOR), observa de uma distância segura, pois cada árvore cai no chão da floresta e o círculo de céu acima se expande. Ela percorreu vários quilômetros na selva com a família para saber exatamente como funciona o processo.

“Queríamos saber qual é o abastecimento, como funciona a demanda, quem compra, quais volumes de madeira são extraídos e como os regulamentos e governança florestais influenciam os relacionamentos entre os diferentes atores — formal ou informal”, disse ela.

Este artigo é parte de um pacote de multimídia sobre a floresta amazônica. Veja mais em blog.cifor.org/amazonia

Mejía e uma equipe de cientistas passaram meses nas províncias amazônicas do Equador de Orellana e Napo, realizando entrevistas com atores-chave do mercado — produtores, transportadores, operadores de motosserra e intermediários — bem como pesquisas de cerca de 250 pequenos produtores em 21 comunidades indígenas e de colonos.

O estudo do CIFOR constatou que a maioria dos pequenos agricultores que colhem madeira não o faz sempre sob um plano de manejo legal. CIFOR/Kate Evans

O estudo do CIFOR constatou que a maioria dos pequenos agricultores que colhem madeira não o faz sempre sob um plano de manejo legal. CIFOR/Kate Evans

Usando essas informações, além das estatísticas oficiais do governo sobre os fluxos legais de madeira, eles produziram um extenso relatório  sobre o estado do mercado de madeira nacional do Equador, as estratégias usadas pelas comunidades para manejar suas florestas e ganhar a vida e como os benefícios obtidos são distribuídos.

O novo trabalho  é parte do projeto Pro-Formal, que está examinando a dinâmica dos mercados domésticos de madeira em cinco países — Indonésia, Camarões, Gabão, República Democrática do Congo e Equador.

A informação é importante no contexto das novas regulações impostas pela União Europeia conforme um plano mais amplo, o Plano de Ação FLEGT (Forest Law Enforcement, Governance and Trade), cujo objetivo é excluir madeira ilegal de seus mercado e promover a demanda por madeira que cumpra os regulamentos nacionais para o manejo sustentável de florestas.

Segundo o plano, os países são encorajados a assinar acordos voluntários de parceria (APV) com a UE, que exigem não só que toda a madeira de exportação é de origem legal; os mercados domésticos de madeira também devem ser legalizados. Em alguns casos, não é uma tarefa fácil em países com mercados informais amplamente disseminados e carência de legislação.

O Equador, porém, é um caso especial, diz Pablo Pacheco, cientista sênior do CIFOR, que lidera o projeto Pro-Formal no país.

Em primeiro lugar, diz ele, a demanda por madeira nativa da floresta amazônica do país é principalmente doméstica, não para exportação. Em segundo lugar, nos últimos anos, o governo tem-se empenhado para melhorar a governança e implementar legislação ambiental.

O Equador de fato decidiu não continuar o diálogo com a UE sobre a implementação de um FLEGT-VPA no país.

Apesar disso, diz Pacheco, a experiência do país dá lições úteis para outros países para melhorar sua governança florestal e monitorar o desmatamento ilegal.

“O Equador vem fazendo tentativas importantes de reunir todas as diferentes peças de governança florestal, em termos de ajustar os regulamentos florestais, colocando em prática um sistema de monitoramento de madeira e também oferecendo alguns incentivos para os pequenos produtores que fazem manejo florestal”, disse ele.

“Então, estamos tentando entender como esses esforços têm funcionado, o que não funcionou tão bem e também quais lições podemos trazer do Equador para outros países.”

Principais conclusões

O estudo revelou que a madeira é uma parte importante das estratégias de sobrevivência dos pequenos produtores.

Em algumas comunidades, ela responde por até 50 por cento da renda familiar, embora isso varie de província para província e entre as aldeias indígenas e colonos.

Em Orellana, onde Luis Andi mora, a venda de madeira responde em média por 22 por cento do total da renda das comunidades quéchuas como a de Andi; porém, responde por 10 por cento da renda dos colonos. Em Napo, esses números eram quase invertidos, onde as comunidades indígenas que dependem menos da madeira do que colonos.

A madeira é uma parte importante das estratégias de sobrevivência dos pequenos produtores da Amazônia do Equador. CIFOR/Kate EvansKate Evans/CIFOR

A madeira é uma parte importante das estratégias de sobrevivência dos pequenos produtores da Amazônia do Equador. CIFOR/Kate EvansKate Evans/CIFOR

No entanto, os volumes de madeira extraídos por estas comunidades não são grandes. Em Napo, entre agosto de 2011 e setembro de 2012, cada família que trabalha informalmente, em média, vendeu 10 m3 de madeira (cerca de 12 árvores, embora isso dependa da espécie da árvore).

E o quanto eles extraem depende de fatores externos: se têm alternativas agrícolas, se podem obter emprego fora da comunidade, se um familiar está doente, quantas crianças precisam de materiais escolares.

“Pode-se dizer que funciona como uma rede de segurança para as pessoas — elas respondem a mudanças bruscas usando a renda extra da floresta”, diz Mejía.

Também não estão ganhando muito da exploração madeireira. O estudo constatou que, apesar de grandes flutuações no preço de madeira a jusante, as comunidades continuam a receber os mesmos preços baixos para a madeira.

Parte do estudo pesou os custos e benefícios das diferentes estratégias de colheita de madeira usadas pelos pequenos produtores.

Os pesquisadores constataram que eles lucravam mais quando tinham um plano de manejo legal e participavam pessoalmente da colheita e corte das espécies de árvores de boa qualidade, vendendo madeira em pranchas já cortadas.

Contratar alguém para fazer o corte ou vender as árvores em pé a um intermediário que organiza todo o processo resultou em um lucro muito menor para o pequeno proprietário.

No entanto, esta situação ideal não é possível para muitas famílias. A mulher e o irmão de Luis Andi o ajudam na floresta de graça, mas outros homens precisam contratar assistentes. Quem é muito velho ou se acidentou ou não em motosserras contratou o corte de madeira.

E finalmente, se ter a documentação correta ajuda a ter maior lucro, para muitos, há obstáculos institucionais para obter o plano de manejo para cortar madeira.

Obstáculos à legalidade

O governo equatoriano implementou várias medidas para simplificar o processo e tentar trazer ao mercado formal os madeireiros de pequeno porte.

“Os usuários da floresta viram que é possível colher madeira legalmente e que pode ser benéfico para ele participar do sistema”, diz Tania Villegas do Ministério do Meio Ambiente do Equador (no momento da entrevista com Forests News em abril de 2013).

Segundo ela, 75.000 pessoas trabalhando no setor florestal estão atualmente registradas on-line no Sistema de Administración Forestal (Sistema de Administração Florestal) do governo.

“Tem sido complicado e demorou três ou quatro anos, mas agora o sistema cobre todo o país”, disse ela. “Tem sido mais difícil com os pequenos produtores que produzem pequenas quantidades de madeira, mas agora eles estão entrando no sistema.”

O estudo do CIFOR revelou que a maioria dos pequenos produtores que colhem madeira não seguem um plano de manejo lícito. Cerca de 70 por cento dos entrevistados em Napo e Orellana afirmam ter cortado madeira informalmente entre agosto de 2011 e setembro de 2012.

Alguns grupos de conservação — incluindo Alejandro Suarez, diretor da Estación Biológica Jatun Sacha, uma reserva natural e de pesquisa em Napo — acreditam que isto se deve à parca aplicação da legislação existente.

“Já temos leis muito boas. Mas a implementação é deficiente”, afirmou.

“Às vezes parece que eles [o governo] se sentem mal porque as pessoas são pobres, mas eles precisam agir. A lei é para todos: os povos indígenas, mestiços [colonos de raça mista] — sejam eles quem forem.”

“Eles precisam investir mais na aplicação da lei.”

Mas o projeto Pro-Formal está tentando entender por que os madeireiros optam por não cumprir as leis — apesar da evidência  de que quem o faz tem maior lucro.

“Às vezes, inscrever-se em um plano de colheita exige que cortem mais árvores do que precisam no momento”, afirma Ayme Muzo, pesquisadora do CIFOR que realizou pesquisas na província de Napo.

“Muitas famílias estão derrubando apenas 4 ou 5 árvores por ano.”

Muitas vezes, esses planos são negociados por intermediários que ajudam os agricultores a navegar a burocracia e fornecem capital em troca de uma parte dos lucros, Muzo diz.

No entanto, para compensar os custos, os comerciantes exigem uma certa quantidade de madeira antes de concordar com a elaboração do plano.

E também não é fácil para os pequenos produtores a fazê-lo sozinhos.

Em muitas dessas comunidades não há eletricidade nem cobertura de celular, muito menos conhecimentos de informática e acesso à internet — assim, inscrever-se no plano on-line não é um processo simples.

Em Orellana, Luis Andi diz que, quando ele e seus vizinhos precisam cortar apenas pequenas quantidades de madeira, o tempo e as despesas necessários para obter um plano de manejo superam os benefícios.

“Mesmo para vender uma pequena quantidade de madeira, precisamos ter um plano de manejo. Mas para tê-lo, você precisa de dinheiro — que pode custar até USD 2.000”, disse ele.

“Então, às vezes, por necessidade, trabalhamos sem uma licença para vender duas ou três árvores.”

Lições do Equador 

O governo do Equador diz que está empenhado em melhorar a vida dos pequenos produtores e introduziu uma série de programas sociais destinados a este fim.

No entanto, Elena Mejía diz que os resultados do estudo Pro-Formal destacam alguns dos limites desses programas.

“Há uma discrepância entre o que o governo espera alcançar — através da melhoria da qualidade de vida e as estratégias de subsistência dos pequenos produtores — e o que está realmente acontecendo. Ainda há disparidades”, afirma.

Ela diz que o CIFOR compartilhará os resultados com o governo, que apoiou o estudo.

“Eles nos deram todo o apoio necessário, e isso é muito importante, porque sem a ajuda de parceiros locais e do governo, esta pesquisa não seria tão relevante”, disse ela.

Pablo Pacheco diz que estas conclusões  têm uma importante lição, tanto para o Equador quanto para outros países: a de que nem sempre é fácil trazer pequenos madeireiros para a comunidade e que os regulamentos, ainda que simplificados, podem ser difíceis para as comunidades pobres e remotas cumprirem.

“Com o tempo, aumentou a compreensão sobre os obstáculos e as barreiras institucionais que as comunidades e os pequenos produtores enfrentam; há uma falta de vontade política para flexibilizar essas regulamentações e adaptá-las às necessidades e interesses dos pequenos agricultores e das comunidades”, diz ele.

“O manejo florestal pode ser feito de diferentes maneiras e não há apenas um modelo que possa ser aplicado a todos os lugares. Não basta dedicar atenção aos regulamentos para promover o bom manejo florestal sem também examinar quais outros incentivos econômicos podem ser usados para apoiar os pequenos agricultores e as comunidades para manejar a floresta.”

“E, nesse sentido, o Equador oferece lições interessantes.”

*Alguns nomes foram mudados para proteger a privacidade das pessoas.

Para mais informações sobre as questões abordadas neste artigo, entre em contato com Pablo Pacheco pelo e-mail p.pacheco@cgiar.org

O projeto Pro-Fomal (Política e opções reguladoras para reconhecer e melhor integrar o setor de madeira doméstico em países tropicais)  é financiado pela União Europeia e integra o Programa de Pesquisa sobre Florestas, Árvores e Agroflorestas da CGIAR.  

 

(Visited 38 times, 1 visits today)
Most popular