“Vendendo oxigênio para os gringos”: mudança de atitudes em direção a REDD+

São Paulo, Brasil. O apoio público é crescente no Brasil por um esquema global para mudanças climáticas que poderia ver o país pagar para não transformar a Amazônia em terra agrícola, disseram especialistas, depois de anos de escárnio pelos críticos nacionalistas que descreviam o plano como “vender oxigênio para os gringos. ”

“Há um grande e crescente apoio para o conceito de REDD, que não existia há não muito tempo atrás. Eu vejo isso tanto em órgãos governamentais como em organizações da sociedade civil “, disse Virgilio Viana, diretor-geral da brasileira Fundação Amazonas Sustentável (FAS), que gerencia um projeto na Amazônia que paga os habitantes locais para não cortar as florestas.

REDD+ significa reduzir emissões de desmatamento e degradação florestal. O mecanismo global poderia viabilizar que os países ricos paguem bilhões de dólares para os países pobres protegerem suas florestas. Seus defensores dizem que o mecanismo oferece uma das maneiras mais baratas para diminuir a taxa de mudanças climáticas.

“A questão da soberania é muito importante para o Brasil. Penso que há uma necessidade de mudança e esta mudança está acontecendo em termos de como ver a soberania e a Amazônia”, disse Viana.

Ele disse que há um entendimento crescente de que a Amazônia não é apenas importante internacionalmente devido ao seu papel de armazenar carbono, mas também internamente no Brasil, “especialmente para os ciclos da água onde a chuva recebida em outras partes do Brasil pode ser significativamente relacionada com mudanças no uso da terra na Amazônia. Isto é importante para a produção agrícola, que é um componente muito importante da economia brasileira. É também essencial para a produção de energia porque nossa rede elétrica é majoritariamente baseada na energia hidroelétrica. E em termos de consumo de água direto, 70% da água utilizada em áreas urbanas é captada dos rios.”

Ele disse que essa era uma mensagem fornecida por uma força-tarefa sob orientação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva – e que agora está repercutindo nas bases.

“Com base nestas conclusões, a força-tarefa enviou uma mensagem muito forte em todos os níveis do governo dizendo que nós devemos pensar nisso como uma agenda brasileira, nos interesses brasileiros, que também estão com os interesses do resto do mundo”, disse Viana. “Então, se existe um mecanismo como REDD, que promove a conservação da floresta, isso não é algo que está impedindo o Brasil de se desenvolver, como costumava ser a antiga visão. Eu vejo uma mudança muito importante nos paradigmas que ocorrem no Brasil. Claro, isso não está feito ainda. É um processo. Mas eu vejo que isso está se tornando o pensamento dominante.”

Sven Wunder, cientista do Centro Internacional de Pesquisa Florestal baseado no Brasil, disse que esta mudança se reflete em muitos outros países da América do Sul.

“Os países estão começando a ver REDD como uma oportunidade de financiamento que vem para a conservação da floresta, mas também para alcançar os moradores pobres das florestas em regiões marginais que teriam poucas possibilidades para receber financiamento do governo. São os dois motivos que estão movendo os governos”, disse ele.

Talvez o crítico de REDD+ que fala mais alto na América do Sul seja o líder da Bolívia, Evo Morales, que diz que o sistema levará à “comoditização” das florestas. Seu governo foi o único no mundo a se opor a um acordo internacional sobre mudanças climáticas na última rodada de negociações da ONU, no México, em dezembro de 2010.

Em uma carta aos líderes indígenas bolivianos em setembro de 2010, ele escreveu: “Através deste mecanismo (REDD+), os países desenvolvidos repassarão a obrigação de reduzir suas emissões aos países em desenvolvimento, e o Sul irá mais uma vez financiar o Norte.” Ele continuou dizendo que as empresas em países ricos “iriam economizar muito dinheiro comprando carbono ‘certificado’ das florestas do sul. No entanto, eles não só terão fraudado os seus compromissos para reduzir as emissões, mas eles também terão começado a mercantilização da natureza, com as florestas.”

“Povos indígenas, natureza e florestas não estão à venda”, diz a carta. “Para nós, as florestas não são objetos, não são coisas nas quais você pode por um preço e privatizar. Nós não aceitamos que as florestas nativas e as florestas tropicais sejam reduzidas a uma simples quantidade mensurável de carbono. ”

Apesar da forte retórica, a Bolívia está avançando com REDD+. Em abril do ano passado o Conselho do Programa de Políticas de REDD da ONU aprovou U$ 4,7 milhões para ajudar a Bolívia preparar-se para REDD+. Naquela época, o líder da equipe boliviana de REDD+, Edgar Arias, disse que “a aprovação do financiamento para a implementação do Programa de REDD das Nações Unidas na Bolívia representa uma contribuição significativa para o processo de preparação do país para implementar um futuro mecanismo de REDD+”, de acordo com o site sobre UN-REDD’s website. Aproximadamente 50% da Bolívia é coberto por florestas.

httpv://www.youtube.com/watch?v=zrzRXZl1ZNA


Leave a Reply